SER DE SITUAÇÃO OU OPOSIÇÃO, QUAL A DIFERENÇA?

EDITORIAL – Mário Oliveira

Mario Oliveira
Mário Oliveira.

Ao longo dos meus mais de cinquenta anos de idade e pouco mais de quatro décadas de militância política, nunca vi uma oposição tão mesquinha como estou vendo em Água Clara, mesquinha e burra. Burra porque serve de massa de manobra de terceiros.

Durante o processo eleitoral, o candidato do PSDB, Silas José da Silva, com uma campanha modesta, enfrentou a máquina pública, os políticos tradicionais e a maioria absoluta dos Partidos Políticos organizados e Venceu.

Venceu, mas fez apenas dois vereadores, conquistou mais quatro e fez a famigerada maioria. Passado o tempo, perdeu dois, por puro interesse, e questões pessoais, nada a ver com a boa política.

Durante este processo teve na oposição três vereadores, que respeito, agora com a vinda de mais dois, chegaram à maioria, e começaram a fazer oposição, pelo simples fato de fazer oposição, sem pensar no bem estar da comunidade. Oposição tem que ser proativa e não retrógada ao passo de voltar aos tempos do quanto pior melhor.

Não posso pensar de forma diferente quando vejo a oposição, votar contra a doação de terrenos para os mais pobres. Os dois projetos de leis, tanto o que doava terrenos para construção de casas via caixa econômica ou via Agehab, ambos determinava qual o terreno, qual a quadra e que os mesmo eram destinados aos usuários e depois disso que todos os usuários deveriam arcar com as despesas de transmissão e que estes terrenos teriam isenção de impostos, não cola o argumento singelo apresentado pelo líder da Oposição, Vereador Marcelo Carvoeiro, e seguido pelos outros, de que iriam pra caixa, agehab ou mesmo para as empreiteiras, votaram contra por ser contra o Prefeito.

Quero aqui chamar a atenção da população e principalmente dos nobres vereadores da oposição, não existe argumento plausível para uma situação como esta, usar o poder da maioria, para defender seus interesses pessoais, de grupo, ou qualquer outro que seja, é usar os pobres como massa de manobra, e isso é condenável.

Para uma Câmara Municipal que gasta milhares de reais com diárias, consultorias e assessorias, que paga contratos que não são executados, que contrata empresas de material de construção para fazer contabilidade (basta ver as ações existente no Ministério Público), não poderia eles fazer diferente, com a devida desculpa aos inocentes. SER DE SITUAÇÃO OU OPOSIÇÃO, QUAL A DIFERENÇA? Não existe diferença, ambos têm que ter responsabilidade e inteligência, para defender os fatos e beneficiar ao povo, que afinal é fim de tudo, tenho dito.