SEIS EQUIPES COMEÇAM TAPAR BURACOS; AÇÃO CUSTARÁ R$ 2 MILHÕES POR MÊS

Prefeitura divulgou quais avenidas e ruas terão os buracos fechados primeiro

A buraqueira que já acabou com a paciência dos motoristas de Campo Grande vai acabar. Pelo menos essa é a promessa da prefeitura que os campo-grandenses esperam que não fique só no discurso. Para tapar os buracos, a prefeitura reativou contrato com seis empresas e pagará R$ 2 milhões por mês. O trabalho emergencial vai durar 90 dias e depois a prefeitura pretende lançar nova licitação para que a manutenção seja periódica.

O lançamento das ações foi feito na manhã desta quarta-feira (11) na Avenida Coronel Antonino. Inicialmente, estava previsto gasto de R$ 1,5 milhão por mês, mas o valor ficou R$ 500 mil mais caro.

Seis equipes estarão nas ruas a partir de hoje. Uma delas, será equipe própria da Secretaria de Obras da Capital e outras cinco das empreiteiras Pavitec, Diferencial, Wala, Gradual e Selco Engenharia.

A empresa Usimix também foi contratada e fornecerá à prefeitura os materiais e massas usados no fechamento dos buracos.

De acordo com a prefeitura, as regiões prioritárias e que receberão as equipes a partir de hoje são das regiões da Marquês de Lavradio, Rodolfo José Pinho, Mascarenhas de Moraes, Coronel Antonino, Consul Assaf Trad, Euler de Azevedo, Souto Maior, Panambiverá e trechos da Costa e Siva e Gury Marques.

A manutenção da região central da cidade só vai acontecer aos fins de semana, quando o fluxo de veículos é menor.

Segundo o prefeito Alcides Bernal (PP), todos os contratos regulares terão ordem de serviço. “A parceria com a Águas continua e aguardamos últimos detalhes técnicos para convênio com o Exército para a requalificação de vias”.

Poucos minutos antes da chegada do prefeito ao evento, uma motorista que seguia em um Fiat Palio pela Avenida Coronel Antonino caiu em uma cratera e teve o pneu furado e a roda danificada.

Cristiane Santos e Sousa fez questão de esperar o prefeito chegar para cobrar pessoalmente dele uma posição.

“Não tinha como desviar, era bater no caminhão ou no outro carro do lado. Estou muito chateada porque isso em algum momento pode custar vidas”.

O prefeito apenas respondeu para a motorista que ela deveria falar com o secretário de Obras. Fonte Correio do Estado.