SANTOS TENTA DRIBLAR DOYEN PARA FICAR COM 70% DA VENDA DE GEUVÂNIO

Globo.com

Geuvânio será apresentado por time chinês no sábado, em Atibaia
Geuvânio será apresentado por time chinês no sábado, em Atibaia

O Santos pode ter lucro ainda maior com a venda de Geuvânio para o Tianjin Quanjian. O time chinês contratou o atacante por 11 milhões de euros (cerca de R$ 48 milhões), e o Peixe teria direito a 35% do valor (R$ 17 milhões). A diretoria, porém, analisa não ceder a parte correspondente ao fundo de investimentos Doyen Sports (35%). A fatia restante é de empresários.

Isso porque o Alvinegro move um processo contra a Doyen pela compra de direitos de Geuvânio, Gabriel e Daniel Guedes em dezembro de 2014, nas últimas semanas da gestão do ex-presidente Odilio Rodrigues. Segundo o atual presidente, Modesto Roma, a antiga diretoria recebeu cerca de R$ 10 milhões por parte de direitos de jovens jogadores santistas para abatimento de dívidas.

A Doyen ficou com 20% dos direitos econômicos de Gabriel, além de 35% de Geuvânio e 25% de Daniel Guedes, e ainda perdoou cerca de R$ 11,5 milhões relativos à venda do meia Felipe Anderson para o Lazio, em 2013 – o fundo de investimentos era dono de 50% dos direitos do jogador e não havia recebido sua parte do acordo. Além disso, ainda havia uma pendência na contratação de Leandro Damião, também feita pela empresa.

Para mover o processo, o clube se baseia no artigo 91 do Estatuto Social ao enviar uma demanda arbitral ao Centro de Arbitragem e Mediação contra o fundo sediado em Malta. O parágrafo diz que “o Comitê de Gestão não poderá antecipar, nem comprometer as receitas ordinárias ou extraordinárias do Santos, por período superior ao do seu mandato, em benefício de sua gestão

 – Está bem encaminhado (o processo). Não posso dar detalhes para não atrapalhar o departamento jurídico, mas esse artigo nos dá margem para recuperar os direitos dos jogadores – diz o presidente Modesto Roma.

O presidente está disposto a bater o pé para que o Santos fique com 70% da venda de Geuvânio (R$ 34 milhões). O receio, porém, é que o drible na Doyen prejudique o processo contra o fundo. O departamento jurídico do Peixe está analisando a situação.

Geuvânio acertou os detalhes da transferência na última quarta-feira e será apresentado de forma oficial neste sábado, em Atibaia, onde o Tianjin Quanjian, comando por Vanderlei Luxemburgo, realiza pré-temporada. O contrato é de três anos, e o atacante receberá 2,7 milhões de euros por ano de salário (cerca de R$ 12 milhões – R$ 1 milhão por mês, na cotação desta quinta-feira).