PRIMEIRO SELECIONADO DO MS, BAILARINO VENDE ATÉ BALA PARA DANÇAR EM NOVA YORK

Concurso de Dança

O bailarino que segue uma tripla jornada todos os dias, com trabalho, escola e aulas de balé, arranjou tempo até para vender balas na Praça Ary Coelho, para juntar dinheiro
O bailarino que segue uma tripla jornada todos os dias, com trabalho, escola e aulas de balé, arranjou tempo até para vender balas na Praça Ary Coelho, para juntar dinheiro

Israel Alex Ayala, 18 anos, é o primeiro sul-mato-grossense a participar de uma seletiva do Youth América Grand Prix, concurso realizado em Nova York. Com apenas dois anos no balé, este também é o primeiro concurso que o jovem, que saiu de Porto Murtinho e mora na Capital, participa. Um misto de nervosismo e medo tomam contam de Israel, que está vendendo até balas nas ruas para conseguir dinheiro para se manter durante uma pré-seleção do concurso, em São Paulo.

O jovem foi convidado para morar em Campo Grande em 2013, pelos diretores da Zoe Escola de Dança, Alex Souza e Sabrina Aguilela, durante uma de suas apresentações na cidade de Porto Murtinho, onde também participava de um projeto. Israel não conheceu o pai e a mãe morreu quando ele tinha 6 anos, ele foi criado pela avó e hoje mora sozinho na Capital, no bairro Nova Lima.

Segundo a professora de balé e jazz, Carolina Cáceres, o jovem é muito esforçado e treina de segunda a sexta-feira, 4 horas por dia, no projeto gratuito ”Homens no Ballet”, que acolhe meninos a partir dos 6 anos de idade. A turma de Israel conta com outros nove alunos de 11 a 24 anos.

“Ele é muito esforçado e foi selecionado durante um curso em Florianópolis. Ele contou a história de vida e ganhou as passagens, a hospedagem e agora está vendendo tudo para poder se alimentar em São Paulo durante a seletiva”, disse.

Ao Portal Correio do Estado, Israel revela que está muito ansioso por ser o seu primeiro concurso e também o primeiro representante do Estado no Youth América Grand Prix. “É uma competição renomada, com bons prêmios e oportunidade de ganhar uma bolsa internacional”, ressaltou.

O bailarino que segue uma tripla jornada todos os dias, com trabalho, escola e aulas de balé, arranjou tempo até para vender balas na Praça Ary Coelho, para juntar dinheiro para sua alimentação em São Paulo, já que ele ganhou as passagens e hospedagens da organização do concurso. Essa seletiva é o último obstáculo para Israel se apresentar em Nova York, no concurso internacional.

“Em Florianópolis, quando fui selecionado, os organizadores se comoveram com minha história e eu fui o único a ganhar as passagens e a hospedagem. Agora está sendo um desafio para mim juntar dinheiro para a alimentação. Eu trabalho como técnico de informática pela manhã, treino o balé à tarde e faço o 3º ano do Ensino Médio à noite. Na Praça, consegui vender junto com dois amigos 10 caixas de gomas em 3 horas”, disse.

Israel diz que nunca sofreu preconceito com a dança escolhida e que a avó que mora em Porto Murtinho está muito orgulhosa. “Minha mãe morreu quando eu tinha 6 anos e quem me criou foi minha vó, ela está muito feliz por um neto estar se destacando. Defendo o balé com imposição, tudo depende de como você se porta na sociedade e eu nunca sofri preconceito”, finalizou Isarel.

O projeto Homens no Ballet é realizado pela Zoe Escola de Dança, que fica na Rua Biritinga, 7, no Bairro Nova Bahia.

CONCURSO

O YAGP BRASIL vai acontecer de 16 a 20 de setembro no Centro Integrado de Apoio à Educação de Indaiatuba (CIAEI), em São Paulo, e será desenvolvido o mais próximo possível da final do concurso americano. Se Israel passar no teste, o próximo evento acontece em abril de 2016 no Jach H. Skirball Center for the Perfoming Arts em Nova York.

Há doze anos, o Instituto Passo de Arte realiza com exclusividade a seleção dos candidatos brasileiros para o Youth América Grand Prix, nos Estados Unidos. Cerca de dois mil bailarinos de mais de 180 escolas de dança do Brasil, já embarcaram para o concurso, com conquistas de três Grand Prix, mais de 100 bolsas de estudos, inúmeras premiações, tendo profissionalizado 30 estudantes que hoje atuam nas principais companhias de dança da Europa e Estados Unidos. Fonte Correio do Estado.