PARA AZAMBUJA, A INSTABILIDADE POLÍTICA PREJUDICA CAMPO GRANDE

Campo Grande/MS

Azambuja não quis falar sobre o afastamento de Olarte, apenas quer celeridade da Câmara  (Foto: Valdenir Rezende / Correio do Estado)
Azambuja não quis falar sobre o afastamento de Olarte, apenas quer celeridade da Câmara
(Foto: Valdenir Rezende / Correio do Estado)

O governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB) alertou que a instabilidade política gerada com a discussão do pedido de afastamento do prefeito Gilmar Olarte (PP) é prejudicial para Campo Grande, por isso, defendeu celeridade da Câmara Municipal e do Tribunal de Justiça na condução das providências cabíveis.

Questionado pela imprensa, Azambuja se esquivou de responder se defende ou não o afastamento de Olarte. Mas reiterou ter pressa na definição do futuro do prefeito e defendeu a celeridade das investigações para tirar a cidade da paralisia administrativa em decorrência dos escândalos.

“Essa situação prejudica Campo Grande”, limitou-se a dizer Azambuja ontem (19), durante a primeira agenda pública na Capital desde que Olarte tornou-se réu no processo por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, na última quarta-feira (12).

Diante do atual cenário político de Campo Grande, o clima é de insegurança e descontentamento. Réu em processo que tramita no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, Olarte responde pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Conforme Lei Orgânica do Município, a Câmara Municipal pode afastar o prefeito do cargo quando se torna réu em ação penal. Fonte Correio do Estado.