MORRE OITAVA VÍTIMA DE LEISHMANIOSE NO ESTADO

Saúde Pública

Acúmulo de material orgânico em decomposição ajuda na proliferação da doença.  (Foto: Valdenir Rezende/Correio do Estado)
Acúmulo de material orgânico em decomposição ajuda na proliferação da doença. (Foto: Valdenir Rezende/Correio do Estado)

O combate à leishmaniose em Campo Grande parece estar sendo ineficiente, e a doença matou mais uma pessoa, a oitava vítima deste ano em Mato Grosso do Sul. Na terça-feira, 20, um paciente de 39 anos, diagnosticado com a doença, faleceu durante tratamento no Hospital Universitário.

Apesar da morte na Capital, a preocupação maior é em Corumbá, onde ocorreram quatro mortes em 2015, seguido por Campo Grande, onde duas pessoas morreram. Os municípios de Jardim e Ladário registraram uma morte cada.

A quantidade de casos confirmados até o momento é de 102, o número representa queda de 43% do que foi registrado no ano passado, quando 181 pessoas foram infectadas com a doença.

Dados da Secretaria de Estado de Saúde (SES) também mostram redução nas mortes, até agora, em relação a 2014, quando houve 11 óbitos decorrentes de leishmaniose. Fonte Correio do Estado.