LULA LAMENTA QUE IMPRENSA TRATE BANDIDOS COMO HERÓIS

Publicado no Facebook

Foto Ilustrativa
Foto Ilustrativa

Um dia depois de ter sido novamente citado pelo doleiro Alberto Youssef em mais um de seus depoimentos, agora à CPI da Petrobras, o ex-presidente Lula publicou um texto com duras críticas ao fato de o Brasil ter se tornado “refém” de um “criminoso notório e reincidente” e ainda dar “palco para atacar e caluniar, sem nenhuma prova, algumas das principais lideranças políticas do país”.

Youssef reafirmou ontem que o ex-presidente ordenou um pagamento à agência de publicidade Muranno Marketing, que prestava serviços à Petrobras. Ele também declarou acreditar que o Palácio do Planalto sabia do esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato. Depois das declarações, o PSDB pediu a inclusão de Lula na CPI.

Sem citar diretamente Youssef, Lula também lamenta, na nota publicada no Facebook, “que parte da imprensa brasileira venha tratando bandidos como heróis” quando se presta a “acusar, sem provas, os alvos escolhidos pela oposição”. Ele anuncia sua volta em 2018 ao concluir a frase: “quando se presta a difamar lideranças que a oposição não conseguiu derrotar nas urnas e teme enfrentar no futuro”.

Leia abaixo a íntegra: 

É inaceitável que uma grande democracia como o Brasil, com 200 milhões de habitantes, uma das maiores economias do mundo, seja transformada em refém de um criminoso notório e reincidente, de um réu que negocia depoimentos – e garante para si um percentual na recuperação do dinheiro que ajudou a roubar.

É inacreditável que um bandido com oito condenações, que já enganou a Justiça num acordo anterior de delação premiada, tenha palco para atacar e caluniar, sem nenhuma prova, algumas das principais lideranças políticas do país, legitimadas democraticamente pelo voto popular. Que se dê crédito a criminosos para apontar quem é e quem não é honesto neste País.

É uma pena que parte da imprensa brasileira venha tratando bandidos como heróis, quando tais pessoas se prestam a acusar, sem provas, os alvos escolhidos pela oposição; quando se prestam a difamar lideranças que a oposição não conseguiu derrotar nas urnas e teme enfrentar no futuro.

O Brasil merece ser tratado com mais responsabilidade e seriedade. Assessoria de Imprensa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.