EM CRISE E SEM OBRAS PÚBLICAS, CONSTRU-ÇÃO PERDE 1,6 MIL VAGAS

Segmento foi responsável pelo pior desempenho em saldo de empregos na Capital em 2015

Crise econômica, paralisação de obras públicas e redução no ritmo de contratações do setor privado atingiram em cheio o mercado da construção civil em Campo Grande, resultando no fechamento de 1.613 vagas neste ano no setor, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho.

O segmento foi responsável pelo pior saldo de empregos em 2015 na Capital, quando considerado o período de janeiro a novembro, superando indústria de transformação (-1.396 vagas) e comércio (-1.018).  

Dentre os oito grandes conjuntos de atividade, somente a administração pública apresentou saldo positivo, de três vagas, no município.

Na agropecuária, houve perda de 22 empregos com carteira assinada, na indústria extrativa mineral foram seis postos fechados e em serviços industriais de utilidade pública, também houve saldo negativo de seis vagas.

Os números da construção civil em Campo Grande destoam, inclusive, das estatísticas observadas em Mato Grosso do Sul. Fonte Correio do Estado.