DÓLAR FECHA ACIMA DE R$ 2,92 PELA 1ª VEZ DESDE 2004

O dólar fechou pela primeira vez acima de R$ 2,90 em mais de 10 anos, refletindo o quadro de persistentes preocupações com os fundamentos econômicos brasileiros e com investidores testando a tolerância do Banco Central ao fortalecimento da moeda norte-americana, destaca a Reuters.

A moeda americana fechou nesta terça-feira (3) em alta de 1,14%, a R$ 2,928 na venda, a máxima da sessão e o maior nível de fechamento desde 2 de setembro de 2004, quando foi a R$ 2,940

Segundo a Reuters, na reta final da sessão o dólar ampliou os ganhos, em meio a especulações sobre a lista preparada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) com os políticos envolvidos na operação Lava-Jato a ser enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de US$ 1,4 bilhão.

Investidores têm mostrado menor apetite por ativos brasileiros diante da perspectiva de que, mesmo se o ajuste for bem-sucedido em resgatar a credibilidade da política fiscal, a inflação no Brasil deve fechar 2015 acima de 7% e o país deve mostrar contração econômica.

No caso do câmbio, essa pressão tem sido corroborada também por ruídos sobre a intervenção do BC. A autoridade monetária sinalizou que deve rolar perto de 80% do lote de swaps cambiais (equivalente à venda de dólares no mercado futuro) que vencem em 1º de abril, equivalente a uma posição vendida de US$ 9,964 bilhões. Nos últimos meses, o BC vinha fazendo rolagens integrais.

Contando com o leilão de swaps para rolagem desta sessão, em que a autoridade monetária vendeu a oferta integral, cerca de 7% do lote de abril já foram rolados.

Segundo analistas, à medida que o mês se aproximar do fim, investidores devem pressionar cada vez mais a autoridade monetária a se posicionar sobre o futuro do programa de ofertas diárias.

Nesta manhã, o BC também deu continuidade às intervenções diárias vendendo a oferta total de até 2 mil swaps, com volume correspondente a US$ 98,3 milhões. Foram vendidos 1.400 contratos para 1º de dezembro de 2015 e 600 para 1º de fevereiro de 2016. Fonte: Globo.com