DEPUTADA DE MS RECEBEU R$ 300 MIL DE BANQUEIRO DA LAVA JATO

Tereza Cristina arrecadou quase R$ 4,3 milhões durante a campanha eleitoral de doadores diversos

teresa cristina
Deputada recebeu R$ 300 mil de banqueiro investigado na Lava Jato.

Durante a campanha eleitoral, a deputada federal Tereza Cristina (PSB/MS) recebeu doações do Banco BTG Pactual, investigado pela Operação Lava Jato. Segundo a prestação de contas apresentada pela direção de campanha da deputada ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), a empresa que era controlada por André Esteves doou R$ 300 mil em 6 de agosto de 2014.

 Tereza figura entre os candidatos que mais arrecadaram doações, somando quase R$ 4,3 milhões em receitas. Os principais benfeitores são empresas ligadas ao agronegócio, setor que ela atuou quando foi secretária de produção, na administração do ex-governador André Puccinelli (PMDB).

 Citando as doações de maior valor, a Adeagro Vale do Ivinhema repassou R$ 600 mil para a deputada federal, a Rodobelo Transportes Rodoviários R$ 225 mil e a Energética Santa Helena um total de R$ 200 mil, em cinco parcelas de R$ 33 mil e uma de R$ 35 mil. Entre as instituições financeiras, o Itaú Unibanco S/A também realizou um depósito de R$ 50 mil.

Investigado

No decorrer das investigações, o BTG Pactual foi acusado de pagar propinas em troca de vantagens em um negócio com a BR Distribuidora e é um dos principais acionistas da empresa de sondas Sete Brasil, que é sócia da Petrobras na exploração de petróleo em países africanos, mas, até o momento, não há comprovação de irregularidades.

 No entanto, o banqueiro André Esteves foi preso em 25 de novembro juntamente com o senador Delcídio do Amaral (PT), derrubando as ações da empresa em quase 40%. De acordo com a época Negócios, o BTG ocupava a 6ª posição no ranking de instituições financeiras privadas do Brasil e era um dos maiores bancos de investimento da América Latina.

 Esteves e o senador petista estariam atrapalhando as investigações da Lava Jato e planejavam a fuga do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, para que ele não aceitasse o acordo de delação premiada. Em troca, eles forneceriam suporte financeiro para a família de Cerveró, através de mesadas mensais de R$ 50 mil.

 Após a prisão, ainda veio à tona que o BTG Pactual comprou o suíço BSI, em julho de 2014, em que o senador Romário Faria (PSB-RJ) admitiu a existência de uma conta bancária, que teria sido usada para lavagem de dinheiro e evasão de divisas, quando se envia dinheiro para o exterior sem declará-lo. Fonte: Topmidianews.