COMÉRCIO NO ESTADO DEVE CONTRATAR 5 MIL PESSOAS PARA O FINAL DO ANO

Previsão para Campo Grande é de 2 mil vagas; empresas que ficam na fronteira estão otimistas

Os trabalhos temporários no comércio devem convocar ao menos 5 mil pessoas em Mato Grosso do Sul neste Natal. A estimativa é da Federação dos Trabalhadores no Comérico e Serviços de MS (Fetracom). Segundo a entidade, esse número corresponde a 5% dos 100 mil comerciários que trabalham nas 79 cidades do Estado.

De acordo com a federação, a maior concentração de contratações deve ficar em municípios de fronteira, como Corumbá e Ponta Porã, 417 e 314 quilômetros respectivamente de Campo Grande. Os comércios dessas localidades estão aquecidos por conta da alta do dólar e bolivianos e paraguaios tem encontrado vantagens em fazer suas compras em Corumbá e em Ponta Porã.

“Estamos otimistas com o emprego no comércio aqui em Ponta Porã e nos municípios vizinhos, pois temos recebido a presença de consumidores paraguaios nas nossas lojas”, informou Divino José Martins, presidente do Sindicato dos Comerciários de Ponta Porã, via assessoria de imprensa.

O presidente da Fetracom-MS, Pedro Lima, avaliou que os números negativos da economia não afetaram tão diretamente os empregos temporários dessa época do ano. “Apesar da crise, estamos vendo o comércio reagir positivamente desde o início de novembro e na medida em que nos aproximarmos do final do mês, com as inúmeras promoções, as vendas vão aumentar e exigir a contratação de profissionais para suprir a demanda”, afirmou Lima, que também é presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio de Dourados (Secod).

CAMPO GRANDE

O Sindicato dos Empregados no Comércio de Campo Grande (SECG) também tem uma previsão otimista para as vendas de final de ano e que haverá contratação. Segundo o sindicato, duas mil pessoas devem ser contratadas, o que representa 5% do efetivo do setor, de 40 mil funcionários

Apesar de batalhão de vagas, o presidente do SECG, Idelmar da Mota Lima, reconheceu que em outros tempos esse número seria maior. “A contratação de temporários girava em torno de 10% (do total de comerciários)”, sinalizou.

CORUMBÁ E TRÊS LAGOAS

O líder sindical da cidade divisa com a Bolívia, Orlando Terredor, afirmou que há um clima de otimismo. Os bolivianos estão procurando produtos brasileiros no comércio corumbaense. “O comércio deverá aquecer ainda mais nesta segunda quinzena de novembro e dezembro. Não temos dúvida de que novas oportunidades de emprego surgirão”, previu.

O comércio em Três Lagoas emprega hoje 1,5 mil pessoas e ao menos 100 novos postos de trabalho deverão ser criados. “A produção industrial cresce, novos empreendimentos se instalam aqui e, consequentemente o comércio também cresce, fazendo surgir novas empresas e oferecendo novas oportunidades de emprego, inclusive temporários, para reforçar as vendas de final de ano”, explicou Eurídes Silveira, presidente do sindicato dos comerciários da cidade.

EFETIVAÇÃO

Segundo o presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio de Campo Grande, Idelmar da Mota Lima, a chance dos temporários se efetivarem existe. “Todo profissional deve agir assim, sempre dando o melhor de seu desempenho profissional para se destacar no ambiente de trabalho e ser reconhecido e remunerado adequadamente”, defendeu.

VAGAS

Os interessados em trabalhar neste final de ano devem percorrer os comércios do centro e nos shoppings para entregar os currículos. Em geral, as empresas estão informando sobre vagas nas vitrines ou é o próprio gerente quem trata do assunto.

A recomendação de quem procura um desses trabalhos é levar currículo resumido, com destaque para as habilidades e evitar se apresentar com roupas curtas, short. Preferencialmente, para os homens, é preciso estar com cabelo cortado e barba bem aparada. Fonte Correio do Estado.