ACIONISTAS DA PETROBRAS APROVAM BALANÇO DE 2014 EM ASSEMBLEIA

Economia

Acionistas da Petrobras aprovaram as demonstrações contábeis da companhia de 2014, em Assembleia Geral Extraordinária (AGE), Os dados relativos ao ano passado foram publicados pela companhia em 22 de abril de 2015. A Petrobras teve um prejuízo de R$ 21,6 bilhões no ano passado, após contabilizar perdas de R$ 6,2 bilhões por corrupção e reduzir em mais de R$ 44 bilhões o valor de seus ativos, de acordo com seu balanço auditado.

O balanço foi aprovado com mais de 70% dos votos a favor e com cerca de 7% contra. Os cerca de 20% restantes foram de abstenções, disse à Reuters Silvio Sinedino, representante do acionista minoritário Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet).

“Não tinha como [o balanço] não ser aprovado”, disse ele, que já integrou o Conselho de Administração da companhia por dois mandatos, ressaltando que a União é a acionista majoritária.

Também foi confirmado na assembléia que não haverá pagamento de dividendos aos acionistas em 2015 referentes aos lucros de 2014. A explicação da Petrobras é que não houve lucro no ano e, portanto, não há o que dividir.

O prejuízo líquido foi o maior desde 1991, quando a Petrobras registrou perdas de R$ 1,21 bilhão, segundo dados da Economatica, em valores corrigidos pela inflação.

A divulgação do balanço auditado é apontada como tarefa essencial para o resgate da credibilidade da Petrobras e para que a empresa consiga captar recursos e atrair investidores.

A apresentação foi feita com atraso. Caso fosse novamente adiada, parte dos seus credores poderia pedir o vencimento antecipado de suas dívidas – o que, em tese, poderia levar a empresa à insolvência e exigir uma operação de injeção de capital pelo governo.

Após divulgar o balanço anual de 2014, a empresa divulgou neste mês o resultado referente ao primeiro trimestre de 2015. A Petrobras terminou o primeiro trimestre de 2015 com lucro líquido de R$ 5,33 bilhões. O resultado representa uma queda de 1% em relação ao lucro de R$ 5,393 bilhões registrado no mesmo período de 2014. Foi é o pior resultado para um primeiro trimestre desde 2007, quando a empresa registrou lucro de R$ 4,1 bilhões. Fonte: G1.