A CULPA É DA INTERNET: 26% DAS CRIANÇAS NÃO ACREDITAM MAIS EM PAPAI NOEL

A investigação por parte das crianças é facilitada porque 55% dos pais brasileiros nunca deletam o histórico de acesso a lojas online durante o período de festas.

papai noel laponia
Papai Noel na casa de papai noel, na Lapônia

Uma pesquisa global realizada pela fornecedora de rede virtual privada Hide my Ass! (HMA!) constatou que, desde que o Google foi lançado, 26% das crianças pararam de acreditar em Papai Noel. Em relação aos nascidos entre 1997 (ano em que a “Gigante das Buscas” nasceu) e 2005 (quando o Facebook foi aberto ao público), a faixa etária média de quem acredita no bom velhinho caiu 14,4% – entre as gerações, a idade em que a criança para de acreditar no personagem foi de 7 anos e 10 meses para 6 anos e 11 meses.

Se essa taxa de redução continuar pelas próximas gerações, a crença no Papai Noel deve desaparecer em 44 anos (até 2060, a idade média na qual se para de acreditar em Papai Noel cairá para menos de 3 anos, quando, tipicamente, a criança começa a compreender a ideia da figura folclórica). Para 52% dos pais brasileiros entrevistados, o grande culpado é a internet – em especial os sites de busca.

E é verdade: ainda de acordo com o estudo, que ouviu mais de 2 mil pais brasileiros e cerca de 4 mil crianças em novembro deste ano, 50% das crianças fizeram buscas no Google e deram de cara com páginas que desmistificam o personagem como nada além de uma lenda de Natal.

Ainda sobre o contato do público infantil com o meio online, constatou-se que 41% das crianças brasileiras tiveram suas primeiras suspeitas a respeito do Papai Noel depois de ver anúncios na internet dos presentes que haviam pedido – 25% simplesmente viram seus pais fazendo compras de seus presentes online e começaram a desconfiar da verdade e 21% tiveram suas ilusões de Natal quebradas depois de lerem tweets ou posts no Facebook com piadinhas sobre “acreditar em Papai Noel”.

A pesquisa também mostra que 7% dos filhos já atuaram como verdadeiros detetives, procurando pistas no histórico de navegação online e nas contas de lojas virtuais de seus pais para achar evidências das compras de Natal efetuadas por eles. A investigação por parte das crianças é facilitada porque 55% dos pais brasileiros nunca deletam o histórico de acesso a lojas online durante o período de festas.

Desse modo, a maioria dos pais brasileiros ouvidos (96%) acredita fortemente que a internet tornou mais fácil para as crianças de hoje descobrirem a verdade sobre o Papai Noel.

Para que a magia se mantenha viva

Para que a magia do Natal se mantenha viva no imaginário das crianças, uma campanha global foi lançada pela HMA!: sob o nome de “Keep Believing In Santa” (“Continue acreditando no Papai Noel”), o programa tem a intenção de boicotar conteúdo online que possa ofuscar o personagem. Tudo é feito por meio de um software gratuito, que ajuda os pais a protegerem seus filhos de potenciais descobertas sobre o bom velhinho na internet.

Uma vez instalado no navegador e ativado, o software monitora todos os resultados de pesquisa online, web pages ou mídias sociais que possam representar risco à crença no Papai Noel. O aplicativo oculta automaticamente o conteúdo relacionado, mostrando como resultado imagens de um alegre Papai Noel em sua fábrica de brinquedos. Fonte Tecmundo.